quinta-feira, 7 de março de 2013

Roma entre a cruz e a espada

Roma entre a cruz e a espada II



ROMA ENTRE A CRUZ E A ESPADA - Domingo Dia 10 de Março de 2013 - Na Novo Tempo

O conjunto de motivos para a resignação de Bento XVI apresentado em “A grande renúncia I” podemos classificar como pertencendo ao ‘cenário do poder hegemônico’ tanto da Igreja Católica quanto dos Estados Unidos da América. Neste segundo comentário trataremos das razões, poderosas, que fazem parte do cenário interno da igreja.
Num sentido geral, o papa perdeu poder, chegou ao ponto de ficar praticamente isolado diante de um governo paralelo, por parte de muitos dos cardeais que ele mesmo escolheu. O papa simplesmente não governava mais. Ele era o poder formal, mas quem determinava e decidia era outro poder. A tal ponto chegou a situação que Bento XVI ficava em segundo plano ao receber as visitas de presidentes e chanceleres dos países. Os assuntos relevantes eram tratados com outras pessoas. Perdeu a autoridade interna e também perdeu o prestígio político internacional. Como foi que isso aconteceu?

Há uma série de razões. Mas tudo se inicia com um discurso de Bento XVI logo após o enterro de João Paulo II. Ele disse que a barquinha de Pedro estava a naufragar e que um homem corajoso e capaz deveria assumir o papado para reverter a tendência. E ele era o homem, todos perceberam isso. Logo depois, foi eleito papa para arrumar a casa.

No entanto, quase oito anos após sua eleição, qual foi o resultado? A igreja continuou a perder espaço internacional, perder fiéis e perder poder político. Os escândalos aumentaram e vazaram para todo mundo saber. O que Bento XVI era para ter feito, não fez. E nenhum outro papa faria, nem mesmo o próximo fará. O caminho agora é outro, bem outro. Mais isto é assunto para o próximo artigo.

Que coisas Bento XVI não conseguiu resolver? Façamos um lista, abaixo, que não é completa, mas é assustadora:

ð Escândalo do watileaks, isto é, documentos pessoais do papa foram divulgados sem autorização, pelo próprio mordomo do papa, que é seu assessor pessoal, ao jornalista Gianluigi Nuzzi, relatando complôs e intrigas no Vaticano;

ð Escândalo no IOR, o Instituto para Obras da Religião, ou Banco do Vaticano. Houve um escândalo em 2010, outro em 2012 e mais outro em janeiro de 2013. Agora o governo italiano não confia mais no IOR. Decisões pela moralização do banco já foram tomadas, mas muito tarde;

ð Cúria dividida, com corrupção e briga pelo poder, mesmo sendo a maioria dos cardeais escolhidos por Bento XVI ou João Paulo II. Isto gerou um governo paralelo por parte do secretário de estado Cardeal Tarcísio Bertone (que dirigirá a escolha do novo papa) a ponto de importantes documentos não chegarem ao conhecimento do papa, que em muitos casos, como no escândalo do Banco IOR, não sabia o que se passava, havendo manipulações paralelas por parte de cardeais;

ð Escândalo repetitivo da pedofilia, que se alastra mundo afora. Descobre-se que havia encobrimento generalizado, comprometendo inclusive a autoridade moral do próprio papa;

ð Severa perda de fiéis nas classes intelectualizadas, principalmente nos Estados Unidos e Europa, mas também nos países emergentes como no Brasil. A igreja na Europa está literalmente se desintegrando, inclusive na Polônia do papa anterior e na Alemanha desse papa;

ð Crise na quantidade de padres, principalmente na Europa, necessitando o suprimento de padres vindos de países periféricos, como os da África, Índia, etc.;

ð Há comentários em jornais de comportamentos homossexuais dentro do Vaticano;

ð A crise financeira nos países desenvolvidos provocou perdas na receita para a Igreja Católica e crise na Santa Sé, mais um motivo de desentendimentos;

ð Perda de prestígio e poder: Bento XVI cada vez mais isolado politicamente, como alguém que não era mais desejado como papa. “Sempre houve uma disputa de poder, mas ficou mais intenso no período de Bento XVI. Ele foi escolhido para fazer uma limpeza, que nada tem a ver com linha ideológica, até porque a maioria dos cardeais tem uma linha conservadora. Quando ele viu que teria de bater de frente com alguns interesses, percebeu que não poderia continuar — especula o frei Jorge Hartmann, que durante mais de três anos trabalhou na Rádio do Vaticano.”

“— Posso afiançar que a renúncia do Papa não é problema de saúde, não é problema de marca-passo, não é problema de nada. É uma luta interna que ocorre na Igreja — assegura o vaticanólogo Giancarlo Nardi.

A missão de conduzir a limpeza na Igreja se viu frustrada. Bertone depreciava os escândalos. Dizia que os jornalistas fingiam ser Dan Brown (o autor do livro Código Da Vinci). E os escândalos potencializaram atritos. Mais do que isso: ocorreu o oposto do que Ratzinger se propunha a fazer. Ruiu o equilíbrio de poder existente no papado de João Paulo II. Decisões do Papa foram ignoradas ou levaram anos para ser cumpridas, em um corriqueiro desafio ao seu poder. Casos de pedofilia que ele queria punir não foram punidos, apesar da orientação de Bento XVI para que não houvesse complacência. O Papa verbalizava o lamento de que havia “muita sujeira na Igreja”. Certa vez, ele chorou.

— Esses jogos de poder tornam difícil o governo de uma pessoa sem energia e agilidade para se mover nas intrigas. Há casos em que ele (o Papa) foi claramente enrolado. Isso não aconteceria se estivesse bem cercado de pessoas. Ele poderia facilmente continuar governando se internamente houvesse uma harmonia de poderes — diz o teólogo Érico Hammes, que cogita a possibilidade de discursos lidos por Bento XVI terem sido manipulados, com introdução de palavras indevidas.” (http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/mundo/noticia/2013/02/o-jogo-de-poder-que-levou-o-papa-a-renunciar-4046832.html)

Mas há um motivo superior aos acima elencados. É também assunto para o próximo comentário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião, anúncio ou sujestão para melhoria do nosso blog. Abraço!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...